A importância de Resgatar Memórias


A memória – individual e coletiva – é a forma de registro mais primordial que possuímos. De forma seletiva, tanto grupos quanto indivíduos articulam suas experiências passadas, formulando uma narrativa histórica acerca de suas trajetórias. Esta narrativa é construída e reconstruída segundo nossas perspectivas presentes, ao mesmo tempo em que constitui a base a partir da qual vislumbramos nosso futuro. A memória oral, por sua vez, representa a forma mais antiga e mais humana de transmissão e consolidação dessa narrativa. Por meio dos depoimentos, é possível evidenciar os vínculos entre o indivíduo e a sua cidade, preservando-se uma diversidade de experiências de vida que, em geral, se dispersam com o passar dos tempos e com a sucessão de gerações.

O trabalho com memória oral permite mobilizar a comunidade envolvida, na medida em que valoriza a vivência pessoal de seus integrantes. Estimula, por assim dizer, a conscientização da comunidade para a importância da participação de cada um na construção desta história. A percepção coletiva de que o cidadão pode ser agente de sua própria história, proporciona uma revisão dos valores vigentes e possibilita a transformação social de forma responsável e participativa.

Texto: Rosali Henriques (Parceira do Projeto Olhar Social, responsável pelo o Acervo do Museu da Pessoa)
Foto tirada em uma entrevista com Ana, moradora no Sítio Joaninha a 11 Anos



Um comentário:

Ulysses disse...

Olá, gostaria de parabeniza-los pela matéria e pelo projeto, já morei em SBC na rua Ghandi e trabalhei por muito tempo no lixão nos anos 90.
Hoje moro na Casa Verde em Sp, tenho uma vida razoável em relação ao que vive nesse local, talvez até tenho parentes por ai.
Derrepente navegando na internet encontrei essa matéria, fiquei até emocionado ao relembrar momentos de minha vida,
mas queria deixar uma mensagem " Acredite em seus sonhos".
Caso tenham outras reportagens me avise por email.


Grato.
Ulysses Davis Mendonça
ulysses@fnettelecom.com